Catequese do 1º ano que nunca ou poucas vezes se encontrou presencialmente

Catequese do 1º ano que nunca ou poucas vezes se encontrou presencialmente

Este ano, um pouco por todo o lado, a catequese ou não se faz ou tem vindo a puxar pela criatividade e boa-vontade de pais, crianças e catequistas. Na nossa Unidade Pastoral, apesar dos constrangimentos, SJBaptista aventurou-se a arrancar com a catequese familiar em setembro, ainda que para isso tenha deitado abaixo uma parede e, de duas salas de catequese, fazer uma só para os pais, enquanto as crianças se reuniam com os seus catequistas na igreja, que dispõe naturalmente de uma espaço muito mais amplo – ainda que para isso se tenha tido de reprogramar os horários da eucaristia de semana e da adoração que por lá se faz às terças e quintas. Ganharam com isso 4 meses de catequese presencial, até ao início do segundo e duríssimo confinamento. No caso de SJosé, em grande parte porque as salas de catequese são de facto muito pouco arejadas e bastante exíguas, fomos adiando até não ser possível nem sustentável adiar mais e, no caso do primeiro ano, temos feito o que podemos com as benditas e abençoadas licenças do Zoom que em boa hora as paróquias compraram no início do primeiro confinamento.
Por tudo isto, pereceu-nos justo pedir um pequeno testemunho a dois catequistas: o Miguel Cruz, jovem a frequentar o 11º ano na Quinta das Flores e acabadinho de receber o sacramento do Crisma; e a Sofia Pereira, um pouco menos jovem mas com muito carinho pelos mais jovens.

Diz-nos o Miguel Cruz, de SJBaptista, que integra uma equipa com outra jovem da sua idade e um casal:

A minha experiência como catequista tem-se revelado bastante gratificante!! No início tinha receio de assumir esta responsabilidade pelo facto de que o interesse das crianças pela vida de Cristo dependeria de mim! E eu próprio deixei de ir à catequese depois da profissão de fé. Por isso sabia, por mim próprio, que não era tarefa fácil cativar-me!
No entanto, ao longo das semanas, tanto pelo feedback dos pais como pela vontade das crianças de ir a catequese, esta nova experiência é deveras recompensadora!!

Miguel Cruz, SJBaptista

        

E diz-nos a Sofia Pereira, com a anuência da Natália, sua parceira nesta aventura catequética:

Vivemos um tempo de mudanças profundas na nossa sociedade, fruto do contexto atual de Pandemia. Fomos desafiadas a construir pontes de proximidade entre a Igreja, as crianças e suas famílias, usando para tal redes de contacto diferentes, adaptados à nossa nova realidade.

Quinzenalmente, juntamos as nossas crianças em 2 pequenos grupos, cada uma em sua casa, e desenvolvemos “uma catequese aos quadradinhos”, como lhe chamamos, usando para tal a plataforma Zoom. Embora distantes fisicamente, sem antes termos tido qualquer contato presencial, sentimo-nos muito próximos.

Esta tem sido uma experiência de grande desafio à nossa criatividade. Na impossibilidade de estarmos juntos e realizar atividades em sala, todas as atividades são pensadas com o objetivo de ultrapassarmos a barreira da distância física e partilharmos momentos de verdadeiro significado. Esta é a nossa missão atual, a de evangelizar, de continuar a anunciar Jesus, de levar Jesus ao coração e à vida de cada criança.

Sofia Pereira e Natália Costa, SJosé

Deixar uma resposta