Arquivo da categoria Vida Paroquial

Domingo da Santíssima Trindade – Dia da Igreja Diocesana

Terço às 18h30 e missa às 19h00, de segunda a sexta. Ao Domingo temos missa também online às 11h00 em SJBaptista e às 19h00 em SJosé.

Pode continuar a marcar intenções por telefone ( 239 405 706 – SJBaptista ou 239 712 451 – SJosé ) ou por email ( igrejasaojosecoimbra@gmail.com ou igrejasaojoaobaptista@gmail.com )

Pode, se quiser, contribuir no ofertório:
Paróquia SJBaptista: 0035 0650 00000070730 25 (CGD)
Paróquia SJosé: 0018 00000 1075022001 81 (Santander)

Terça – 9 de Junho de 2020 – Terço e missa

Segunda – 8 de Junho de 2020 – Terço e missa

Domingo – 7 de Junho de 2020 – Missa das 11h

AME, São José Cuida – Campanha Solidária

A pandemia veio expor as principais vulnerabilidades da sociedade, com o agravamento das desigualdades sociais e o crescimento da pobreza. Os pobres ficaram ainda mais pobres e surgiram novas formas de pobreza, associadas ao desemprego e à doença.

Como nos disse o Papa Francisco na praça de São Pedro vazia: “Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados, mas ao mesmo tempo importantes e necessários”. De facto, “Ninguém se salva sozinho”, todos somos responsáveis uns pelos outros.

O cuidado aos mais pobres e desfavorecidos constitui um dos pilares fundamentais da Igreja, numa união inseparável entre o amor a Deus e aos irmãos. Com o desejo de manifestar a sua proximidade e cuidado a todas as pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social, a paróquia de São José, em parceria com o Centro de Acolhimento João Paulo II, decidiu promover esta campanha solidária para as vítimas da Covid-19 que apela ao compromisso, ação e oração de todos.

A campanha designada “AME, São José Cuida!” é composta por três áreas de intervenção, designadas por arcos, remetendo para a referência arquitetónica dos 3 arcos frontais da igreja de São José. A cada arco é associada uma área de intervenção dando origem a três arcos: Arco Afetivo, Arco Material e Arco Espiritual. São as letras iniciais de cada arco que dão o nome à campanha AMEA de Afetivo, M de Material e E de Espiritual.

Esta campanha tem início a 6 de junho de 2020 e prolonga-se por quase 2 meses, terminando a 31 de julho. Serão avaliadas as possibilidades de novas edições.

Para o sucesso da campanha AME, é fundamental um forte envolvimento de toda a comunidade da região de Coimbra, desde paroquianos, residentes, estudantes, empresas e instituições, públicas e privadas. Trata-se de um momento de união, de mobilização, de encorajamento e de apresentar soluções imediatas para situações que se vão identificando ao longo do tempo.

Acreditamos na boa-vontade do ser humano e do espírito coletivo de entreajuda, tendo sempre presente a mensagem do nosso padroeiro São José, “São José Cuida!”.

IBAN: PT50 0035 0185 00023175 030 18 – CGD

Missa campal com o Bispo de Coimbra, D Virgílio Antunes, em SJosé

O Sr Bispo presidirá à missa das 19:00 de sábado, em S. José, durante a qual dará início para a Diocese ao Dia da Igreja Diocesana.
A missa será campal e todos poderão vir sem receio: haverá com certeza lugar para toda a gente e serão cumpridas escrupulosamente todas as regras sanitárias impostas pela DGS. Teremos cerca de 300 lugares sentados e há muita relva para estender mantas.

A mensagem do Sr Bispo a propósito deste dia poderá ser consultada em https://bit.ly/2Y0TQUq

Mensagem do Sr Bispo para o Dia da Igreja Diocesana – 7 junho 2020

Caríssimos irmãos e irmãs

Saúdo com muita estima toda comunidade diocesana, nesta fase especial da nossa vida, em que estamos a viver com apreensão, mas ao mesmo tempo com esperança o retomar de muitas atividades.

Todos estamos a braços com muitas mudanças que se operaram na nossa vida quotidiana e que afetaram de modo especial as famílias, com as crianças, os idosos e os doentes mais afastados das suas rotinas habituais bem como das manifestações de afeto diretas e físicas. Esperamos que a ninguém esteja a faltar o carinho e a consolação expressos, porém, de outras formas.

A ausência das assembleias litúrgicas presenciais e a falta dos sacramentos, especialmente da Eucaristia, tem limitado a nossa vivência da fé, pois ali encontramos sempre a força sacramental para encarar a vida com todos as suas situações de forma diferente. A oração pessoal ou familiar e a participação na liturgia através dos meios de comunicação têm ajudado as famílias a sentirem-se Igreja Doméstica e a unirem-se pelos laços da fé. Após este tempo de distância e ausência física, fica-nos um desejo maior de vivência comunitária da fé e de celebrarmos juntos os mistérios em que acreditamos. Aguardamos com paciência, responsabilidade e amor, o regresso à normalidade plena, sem pormos em causa as medidas de segurança que têm vindo a ser veiculadas pelas autoridades públicas e pela Igreja, mas voltemos com ânimo e confiança à celebração comunitária da fé.

Aproxima-se a data da celebração do Dia da Igreja Diocesana, a Solenidade da Santíssima Trindade, que ocorre a 07 de junho. Este ano a celebração será ao nível da unidade pastoral, da forma possível e considerada localmente mais adequada.

Realço a importância deste dia para a nossa Diocese, pois precisamos de sinais visíveis de unidade de todo o Povo de Deus, com o bispo, os sacerdotes e diáconos, os consagrados e a multidão de fiéis leigos. Além de darmos graças a Deus por nos ter chamado a ser membros desta porção do Seu Povo, procuraremos crescer em sintonia com as orientações pastorais que nos movem. Que ninguém fique de fora, pois a fraqueza da comunhão eclesial é também debilidade na missão que nos foi confiada.

Esta é também uma grande oportunidade para valorizarmos ainda mais a realidade da Igreja Doméstica e o lugar de cada família na celebração e na vivência da fé cristã, sem que isso signifique diminuir a importância essencial da dimensão comunitária da nossa condição de cristãos e membros da Igreja.

Os párocos juntamente com a equipa de animação pastoral e o conselho pastoral encontrarão as formas melhores para ajudar todos os fiéis a sentirem-se membros do Corpo de Cristo e a aprofundarem a fé na comunhão que nos une enquanto Igreja Diocesana. Procuraremos realçar os laços invisíveis e espirituais e, ao mesmo tempo, a dimensão social e visível das comunidades cristãs.

Nesta situação de pandemia, quando a comunidade não pode ter as suas realizações normais, sentimos que Deus está igualmente presente nas nossas vidas e é fonte de esperança por meio de Jesus Cristo, morto e ressuscitado. A fé no Espírito Santo, que é Espírito de Comunhão e o nosso Consolador, leva-nos a ver mais longe, a discernir o que Deus nos diz por meio destes sinais dos tempos e a não desanimar no meio das tribulações.

A fé cristã tem muitas dimensões irrenunciáveis e, entre as maiores, está, certamente a caridade ou o amor ao próximo. Peço a cada comunidade que na celebração do Dia da Igreja Diocesana pense muito seriamente nos seus pobres e promova ações de solidariedade humana, espiritual e material em seu favor, pois a caridade é o distintivo da fé. Que ninguém seja esquecido particularmente neste tempo de crise económica. Este é o tempo de olhar para os pobres, este é o tempo da caridade.

Estamos a terminar a execução de um plano pastoral de três anos, intitulado “Aproximai-vos do Senhor”, ao longo dos quais houve muita coisa boa e muitos progressos na vida da nossa Igreja Diocesana. Damos graças a Deus. Houve também aspetos menos conseguidos, sinal das nossas limitações ou até da nossa fraqueza. Estamos disponíveis para fazer mais e melhor no futuro.

Brevemente o Secretariado da Coordenação Pastoral irá propor um caminho sinodal de avaliação do triénio que termina e a indicação de novos caminhos para a elaboração do plano pastoral para os próximos anos. Iremos centrar-nos num tema que temos bem no coração: Os jovens, a fé e o discernimento vocacional.

Desejo muito que esta reflexão seja catequética, frutuosa e o motor para uma nova etapa da edificação da Igreja Diocesana. O Papa Francisco já nos ofereceu a Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Cristo Vive”, que será o documento base para o nosso trabalho. Que os cristãos não deixem de dar o seu contributo para juntos delinearmos caminho. De um modo muito especial, peço aos jovens a quem o Papa chamou o “agora da Igreja”, que se tornem participativos na reflexão e proposição em ordem ao Plano Pastoral, uma vez que sentem e conhecem na primeira pessoa a realidade na qual Cristo Vivo, quer entrar.

Desejo a todas as unidades pastorais um feliz Dia da Igreja Diocesana. Que todos sejamos protagonistas de uma Igreja e de uma sociedade melhores; que sejamos arautos da esperança e que levemos ao mundo a notícia feliz de Cristo Ressuscitado, Aquele que venceu o mal, o pecado e a morte.

O Secretariado da Coordenação Pastoral preparou uma catequese sobre a Igreja, um momento de oração familiar, algumas preces para a oração dos fiéis e um vídeo, que usaremos e divulgaremos de forma adequada e generosa. Tudo nos ajudará a fazer crescer uma onda de alegria, de gratidão e de disponibilidade para a missão que nos cabe, segundo a vocação que recebemos.

À Virgem Maria, Senhora da Alegria e da Esperança pedimos que nos ampare e que guie a nossa Igreja Diocesana de Coimbra ao encontro de Cristo Vivo.

Coimbra, 21 de maio de 2020

Virgílio do Nascimento Antunes
Bispo de Coimbra

Domingo de Pentecostes

Terço às 18h30 e missa às 19h00, de segunda a sexta. Ao Domingo temos missa também online às 11h00 em SJBaptista e às 19h00 em SJosé.

Pode continuar a marcar intenções por telefone ( 239 405 706 – SJBaptista ou 239 712 451 – SJosé ) ou por email ( igrejasaojosecoimbra@gmail.com ou igrejasaojoaobaptista@gmail.com )

Pode, se quiser, contribuir no ofertório:
Paróquia SJBaptista: 0035 0650 00000070730 25 (CGD)
Paróquia SJosé: 0018 00000 1075022001 81 (Santander)

Sexta – 5 de Junho de 2020

Quinta – 4 de Junho de 2020

Quarta – 3 de Junho de 2020

Terça – 2 de Junho de 2020

Segunda – 1 de Junho de 2020

Domingo – 31 Maio 2020 – Missa das 19h00

Domingo – 31 Maio 2020 – Missa das 11h00

Sábado – 30 Maio 2020

Semana VII da Páscoa – Ascensão do Senhor

Terço às 18h30 e missa às 19h00, de segunda a sexta, seguida de adoração a partir da casa paroquial até às 23h (inicia às 9h00). Ao Domingo temos missa também online às 11h00 em SJBaptista e às 19h00 em SJosé.

Pode ainda interagir entrando na nossa sala Zoom: https://zoom.us/j/603800677?pwd=MTYxYXo3RXFDME54MEdYUGhVRktyQT09 (ID da reunião: 603 800 677 Senha: 336437)

Pode continuar a marcar intenções por telefone ( 239 405 706 – SJBaptista ou 239 712 451 – SJosé ) ou por email ( igrejasaojosecoimbra@gmail.com ou igrejasaojoaobaptista@gmail.com )

Pode, se quiser, contribuir no ofertório:
Paróquia SJBaptista: 0035 0650 00000070730 25 (CGD)
Paróquia SJosé: 0018 00000 1075022001 81 (Santander)

A folha pode ser descarregada aqui.

Sexta – 29 Maio 2020

Quinta – 28 Maio 2020

Quarta – 27 Maio 2020

Terça – 26 Maio 2020

Segunda – 25 Maio 2020

Domingo – 24 Maio 2020 – Missa 19h00

Domingo – 24 Maio 2020

Sábado – 23 Maio 2020

Nota Pastoral do bispo de Coimbra sobre o reinício do Culto Público

Caríssimos irmãos e irmãs da Diocese de Coimbra!
Saúdo fraternalmente a todos, desejando saúde, paz e bem, no Senhor Jesus Cristo, nosso Irmão e nosso Salvador.

Depois de um longo tempo de impossibilidade de participação no culto público segundo o ritmo habitual das comunidades devido à propagação do Coronavirus 19, vamos reiniciar a participação presencial dos fiéis nas celebrações da fé, nos dias 30 e 31 de maio.
A Conferência Episcopal Portuguesa, de acordo com a Direção Geral de Saúde e as autoridades portuguesas, emitiu um comunicado com data de 08 de maio de 2020 no qual estabelece as regras a cumprir para que se possa reiniciar em segurança e sem constituir perigo para a saúde pública. Essas são as normas que adotaremos na nossa Diocese de Coimbra.
Cabe aos párocos, depois de atenta reflexão com as Equipas de Animação Pastoral e, se possível, depois de ouvido o Conselho Pastoral da Unidade Pastoral, definir os moldes concretos, as circunstâncias e os locais em que terão lugar as celebrações.
Peço a todo o Povo de Deus da nossa Diocese de Coimbra que acolha como um dom de Deus podermos voltar a reunir-nos em diferentes momentos para a celebração da fé, mas especialmente na celebração da Missa Dominical. Sabendo que continuamos num tempo de incertezas quanto à propagação do vírus e que ainda nos encontramos numa situação de exceção, procuraremos ser compreensivos e tudo fazer para que se manifeste a unidade da Igreja, bem como a caridade para com os irmãos na mesma fé e a comunidade humana em geral.
Compreendemos que não é possível celebrar a liturgia em todos os lugares onde ela antes tinha lugar, pois alguns espaços, devido à sua exiguidade e ao reduzido número de participantes, não reúnem as condições necessárias que possibilitem o distanciamento entre pessoas e a devida higienização, como previsto. Além das celebrações em igrejas e capelas que reúnam boas condições, deve considerar-se também a possibilidade de celebrações ao ar livre para aumentar a capacidade e proporcionar a um maior número de fiéis a tão desejada e necessária participação. Todos somos convidados a alguns sacrifícios, nomeadamente na deslocação aos lugares indicados pelos párocos para as celebrações, por, porventura, o culto não poder ser reiniciado em todas as igrejas ou capelas nesta altura.
Para que tudo possa decorrer como desejamos, é necessária a constituição de equipas de voluntários que sejam instruídos nas regras a ter em conta e ajudem as comunidades a cumprir os procedimentos adequados antes, durante e depois das celebrações.

Continuamos a rezar para que esta situação de pandemia seja rapidamente ultrapassada e imploramos a proteção da Virgem Maria nesta hora de esperança que se abre para nós. Imploramos a consolação para as família, a saúde para os enfermos e o eterno descanso para os defuntos.
Que Deus vos ajude e abençoe.

Coimbra, 16 de maio de 2020
Virgílio do Nascimento Antunes
Bispo de Coimbra

Semana VI da Páscoa

Terço às 18h30 e missa às 19h00, de segunda a sexta, seguida de adoração a partir da casa paroquial até às 23h (inicia às 9h00). Ao Domingo temos missa também online às 11h00 em SJBaptista e às 19h00 em SJosé.

Pode ainda interagir entrando na nossa sala Zoom: https://zoom.us/j/603800677?pwd=MTYxYXo3RXFDME54MEdYUGhVRktyQT09 (ID da reunião: 603 800 677 Senha: 336437)

Pode continuar a marcar intenções por telefone ( 239 405 706 – SJBaptista ou 239 712 451 – SJosé ) ou por email ( igrejasaojosecoimbra@gmail.com ou igrejasaojoaobaptista@gmail.com )

Pode, se quiser, contribuir no ofertório:
Paróquia SJBaptista: 0035 0650 00000070730 25 (CGD)
Paróquia SJosé: 0018 00000 1075022001 81 (Santander)

A folha pode ser descarregada aqui.

Sexta – 22 Maio 2020

Quinta – 21 Maio 2020

Quarta – 20 Maio 2020

Terça – 19 Maio 2020

Segunda – 18 Maio 2020

Domingo – 17 Maio 2020

Sábado – 16 Maio 2020

O meu coração está apaixonado por ti

Neste 13 de Maio de 2020 celebra-se o centenário da canonização de Santa Margarida Maria pelo papa Bento XV em 1920.

O meu coração divino é tão apaixonado pelo amor pelos homens e por ti em particular que não é mais capaz de conter em si as chamas da sua ardente caridade; ele deve espalhá-las através de ti e manifestar-se a eles para os enriquecer com seus preciosos tesouros que eu te mostro. (Jesus a Sta Margarida)

Foi a partir de Paray-le-Monial, um santuário de desde há algumas décadas está confiado à Comunidade Emanuel, que se espalhou a devoção ao Sagrado Coração de Jesus:

Aqui está este coração que amou tanto os homens, que nada poupou até que estivesse exausto e consumido para mostrar-lhes seu amor; e, de retorno, só recebo ingratidões por suas irreverências e sacrilégios e pela frieza e desprezo que eles têm por mim neste sacramento de amor. (Jesus a Sta Margarida)

Foi também em Paray-le-Monial que Jesus pediu através de Santa Margarida Maria a “Hora Santa”

Em toda a minha Paixão foi no horto que mais sofri, vendo-me completamente abandonado do céu e da terra. Oprimido pelos pecados de todos os homens, apareci perante a Santidade de Deus, que, sem consideração pela minha inocência, me esmagou com o peso da sua ira, fazendo-me beber o cálice, que continha todo o fel e toda a amargura da sua cólera justíssima. Ninguém pode compreender a intensidade desse meu tormento… Todas as noites, da quinta para a sexta-feira, far-te-ei participar da mortal tristeza que senti no horto. Para me acompanhares nesta humilde oração, que então ofereci a meu Pai, levantar-te-ás entre as onze e a meia noite, e te prostrarás durante uma hora com a face sobre a terra, como Eu fiz, não só para aplacar a ira divina, pedindo misericórdia pelos pecadores, mas também para adoçar, de algum modo, a amargura que senti pelo abandono dos meus Apóstolos que não tinham podido velar uma hora comigo. (Jesus a Sta Margarida)

A festa do Sagrado Coração de Jesus celebra-se na 3ª sexta-feira após o Pentecostes. 

Carta do Papa Francisco aos Peregrinos de Fátima

Queridos peregrinos de Fátima,

Por força das circunstâncias, a treze deste mes de maio, não vos será possível cumprir na forma habitual a peregrinação até à Cova da Iria. Sei, porém, que aí vos encontrais igualmente, embora apenas de alma e coração. E a razão é simples! Um filho, uma filha não se pode ver longe da mãe e clama por ela; a confiança que lhe inspira é tal, que basta a sua companhia para cessarem todos os medos e inquietações, abandonando-se a um sono tranquilo logo que se vê no regaço dela.

Com estas minhas palavras, queria apenas tran­quilizar-vos a respeito da companhia que vos faz a nossa Mãe do Céu. Hoje conseguimos, através apenas da alma e do coração, fazer a ligação à Virgem Maria; e somos limitados! Tão limitados, tão pequeninos que um inesperado vírus pôde facilmente transtornar tudo e todos… Nossa Senhora é pequenina como nós, n1as abandonou-Se a Deus e Ele engrandeceu-A, fazendo-A Mãe sua e nossa. Hoje, gloriosa em corpo e alma, toda Ela é um coração materno ocupado e preocupado em restabelecer a sua ligação connosco e a nossa ligação com Deus. Não esqueçais a sua promessa de 13 de junho de 191 7: «O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus».

A Deus, Ela confia todos e cada um de vós, desde os zeladores do Santuário de Fátima, que hoje nos personificam e representam a todos aos pés de Nossa Senhora, à semelhança do apóstolo João no Calvário – «Mulher, eis o teu filho!» (Jo 19, 26) e, pela casa dentro, entrou-Lhe todo o mundo … -, até aos doentes, pobres e abandonados, sem es­quecer os profissionais e voluntários empenhados a servi-los. Uma oração particular, peço a vós – enquanto vos asseguro a minha – pelas vítimas sem conta desta pandemia do covid-19 e todos os defuntos; a quantos se viram sozinhos na sua travessia para a eternidade, sei que a boa Mãe do Céu lhes fez companhia até Deus. Que o bom Deus vos abençoe e Nossa Senhora de Fátima vos guarde e proteja.

Roma, 8 de maio de 2020.

Franciscus