Arquivo da categoria Catequese de Infância

COVID-19 – Catequese suspensa em SJosé

Temos vindo a dirigir a nossa atenção para a situação do coronavírus em Portugal, desde há algum tempo, pois o nosso próximo é para nós a primazia.
Com a activação do nível laranja por parte da DGS (Direcção Geral da Saúde) e em decisão conjunta com o Sr. Padre Jorge, entendemos por bem preservar o bem estar das nossas crianças, das suas famílias e da sociedade, e assim interromper as actividades da catequese, em princípio até terminarem as férias da Páscoa.
Ficam assim cancelados os seguintes acontecimentos planeados:
– Adoração ao Santíssimo (dia 14 de março)
– Via Sacra (dia 20 de março)
– Cinema Bíblico (dia 21 de março)
– Festa do Pai Nosso (dia 22 de março)
– Todas as catequeses do 1* ao 6* ano (de segunda a sexta-feira)
Continuaremos todos atentos e daremos informações de acordo com o que for a evolução da situação instalada.
Apelamos a que não entrem em pânico, procurem cumprir as orientações das autoridades competentes na matéria e dirijam a vossa oração ao Senhor Jesus Cristo e à Sua Mãe protectora, rogando a Sua misericórdia para o mundo.

Campanha de Quaresma é apresentada aos catequistas de S. José

No passado dia 8 de fevereiro os catequistas de infância da Paróquia de SJosé estiveram reunidos para tomar conhecimento da Campanha de Quaresma 2020. Estruturada pela coordenação da catequese e aprovada pelo Pe Jorge Santos, o grupo ficou a conhecer a metodologia e logística desta campanha, tendo também contribuído para alguns melhoramentos.

A Campanha da Quaresma terá início do próximo dia 1 de março e terminará no dia de Pentecostes. No seu todo, a caminhada decorrerá ao longo de 12 domingos e contará com o empenho de todos, nomeadamente no encontro com Jesus, em cada Eucaristia Dominical.

Os catequistas tomaram, também, conhecimento de algumas alterações ao calendário de atividades da catequese, assim como de alguns procedimentos relacionados com a preparação para sacramentos e festas, para que possam sensibilizar pais e crianças para o seu cumprimento.

Coordenação da Catequese de SJosé prepara atividades para os próximos meses

A equipa da coordenação da catequese de infância da Paróquia de S. José esteve reunida, com o pároco Jorge Santos.

Na ordem de trabalhos estava a aprovação e ajustamento de algumas datas do plano de atividades da catequese, em função do plano pastoral diocesano e paroquial, até ao final deste ano pastoral, bem como a validação da Campanha da Quaresma que em breve iniciaremos.

Os resultados desta reunião vão ser transmitidos aos pais nas reuniões que se realizam de 10 a 14 de fevereiro, na presença do Pe Jorge Santos, no horário habitual da catequese.

Festa da Palavra – SJosé

As crianças do quarto ano da catequese de infância da Paróquia de SJosé fizeram, no passado terceiro Domingo do tempo comum, aquele que o Papa Francisco instituiu como o Domingo da Palavra, a sua Festa da Palavra.

Desde que entraram na catequese, estes meninos e meninas começaram a conhecer Jesus e fizeram dele um grande amigo. Agora querem ficar definitivamente com Ele, porque sentem que Jesus lhes fala de muitos modos, principalmente através da Bíblia. Já conhecem muitas histórias, muitas parábolas, muitas passagens da Sua vida, mas nessa tarde, solenemente, receberam a Bíblia das mãos dos seus pais e do Pe Jorge Santos, para terem a Palavra de Deus sempre consigo.

Eles sabem que é através da leitura e escuta da Sagrada Escritura que podem estar mais perto de Deus Pai, como nos ensina Jesus, Ele que é o verdadeiro pastor que chama as suas ovelhas que reconhecem a sua voz e O seguem.

Catequistas

Reunir-se-ão os catequistas de ambas as paróquias dia 25 em SJosé para rezarem em conjunto.

Rezemos com e por eles, e pelo ministério que exercem nas nossas comunidades.

Adolescentes do 5º ano de catequese celebram a esperança perante a comunidade paroquial

No passado dia 26 de maio, a igreja de S. José acolheu a habitual comunidade paroquial, na Eucaristia das 11h, e, de modo especial, as 46 crianças do 5º ano de catequese que, cumprindo o itinerário catequético, celebraram a Festa da Esperança. A igreja tornou-se pequena para todas as pessoas que quiseram testemunhar mais este passo na vida cristã destes adolescentes.

A celebração iniciou-se com a explicação do significado da palavra “Esperança”. Frente ao altar, nove crianças seguraram as letras da palavra, revelando o sentido de se fazer uma Eucaristia especial, tendo como foco o percurso da obra criadora de Deus para com o Seu Povo.

Inserida na Eucaristia dominical, esta celebração, conduzida pelo Padre Filipe Dinis, cumpriu todos os rituais habituais, contando com a participação dos adolescentes em quase todas as tarefas que integram o ritual atribuído aos leigos.

Coube ao Padre Filipe Dinis a presidência da celebração, que na homilia se focou no significado da palavra “Esperança”. Fez menção à génese da palavra, remetendo para a necessidade de viver em paz e no amor. “A palavra “Esperança” remete-nos para o verbo “esperar” e para esperar por algo ou por alguém é preciso ter paciência, que vem da palavra paz”, referiu o Pe. Filipe Dinis em resultado do diálogo estabelecido com as crianças.

Para além da necessidade de viver em paz, chamou a atenção para a importância do amor como alimento da esperança, conduzindo o olhar da assembleia para a imagem que ilustrou a homília deste domingo, da autoria de Fano. “Nesta imagem vemos duas pessoas que se estão a abraçar, que estão a ser bons companheiros”, afirmou o Pe. Filipe, lembrando que “se eu partilho, se eu abraço, se estou ao lado do outro, eu espero que também estejam ao meu lado”. Assim é a relação com Deus, desde a criação até à vida eterna.

Na reta final da homilia, o Pe. Filipe Dinis questionou os adolescentes: “vocês acreditam que Deus está na vossa vida?” Em uníssono a comunidade ouviu um sim convicto e, incentivados, foram dizendo onde O encontram: nas pessoas, na Missa, na escola, na catequese, na oração… Para concluir, o celebrante fez também menção aos pais “que nos dão o pão, o alimento”, mas também aos catequistas e aos professores, onde Deus também se revela.

“Temos esperança em Deus” afirmaram as crianças de forma convicta e audível no final da homilia.

Para além das dádivas da comunidade, recolhidas no ofertório, estiveram presentes três símbolos: as tábuas da lei, “onde estão as leis/mandamentos que orientam para o caminho do bem”, as alianças, “que representam o

compromisso com Deus”, e o catecismo, “onde se conhece e percebe qual o caminho a seguir”, explicaram. Neles, os adolescentes pretenderam dar sinal da intenção de “reforçar a esperança em Deus”, tal como afirmaram perante a comunidade.

A concluir a celebração, o Pe. Filipe Dinis dirigiu um “agradecimento aos pais pela presença e pelo testemunho” e convidou todas as crianças da catequese de infância da Igreja de S. José a integrar o coro infantil, assim como, a inscreverem-se nas aulas de religião e moral nas escolas, a serem acólitos, para que o compromisso assumido com Deus seja visível e efetivo.

Ana Carvalho

Comunidade de S. José celebra sacramento do batismo e 1ª comunhão com igreja repleta

A comunidade da Igreja de S. José (Coimbra) testemunhou, no passado dia 19 de maio, a celebração do segundo turno dos sacramentos do Batismo e da 1ª Comunhão, presidida pelo Padre Jorge Santos, pároco da Igreja de S. José, e concelebrada pelo Padre João Trindade, familiar de uma das crianças que integrou a referida cerimónia.

No dia 12 de maio, cerca de 40 crianças experienciaram o acolhimento de Jesus nos respetivos corações, através da celebração do sacramento da comunhão, e, no dia 19 de maio, 30 crianças disseram “Ámen” ao Corpo de Cristo entregue a cada um. Quer numa quer noutra data, algumas crianças também receberam o batismo, ficando, a partir desse momento, “unidos a Jesus”, tal como referiu o pároco de S. José, Padre Jorge Santos.

Carregada de simbolismo para as crianças e familiares, esta celebração ficou marcada por alguns apontamentos solenes, nomeadamente a procissão de entrada. A cruz processional encabeçou o cortejo, seguindo-se-lhe as velas que representavam a luz de Cristo e um vaso de trigo que, segundo referiu um jovem, representava cada grupo do 3º ano de catequese e, de modo particular a Parábola da Semente de Trigo, através da qual fundamentaram o sentido da comunhão feita pelos cristãos.

Entregues os símbolos, seguiram-se os ritos eucarísticos habituais, nomeadamente o ato penitencial e a liturgia da palavra, nas quais pais e filhos deram o seu contributo.

Feita a leitura do evangelho, pelo Padre João Trindade, o pároco de S. José fez menção, na homília, à razão de celebrar o sacramento da comunhão: “celebramos aquilo que Jesus nos deixou de mais importante – a Missa”. O Pe. Jorge Santos lembrou o que aconteceu na Última Ceia, antes de Jesus entregar a vida na cruz: “o Senhor Jesus partiu o pão e deu-o aos seus discípulos dizendo – “Fazei-o em memória de mim”. Este ato, para o pároco, representa “uma prova de amor” da qual a Eucaristia se tornou “um memorial”.

O pároco disse ainda que, em cada Eucaristia, Jesus “põe duas mesas: a mesa da Palavra e a da Comunhão”. Na da palavra, “Jesus alimenta-nos com a sua Palavra, através da Bíblia” e na da Comunhão “recebemos o Corpo de Cristo” que, tal como a Palavra, “alimenta o nosso coração”.

Seguidamente o Pe. Jorge Santos derramou os santos óleos sobre oito crianças que receberam o batismo também nesta celebração. “Vão receber a vida de Jesus e vão poder chamar a Deus de pai”, começou por dizer o pároco da Igreja de S. José, “depois da Comunhão, toda a assembleia será divinizada por Jesus”, concluiu.

“Sede luz de Cristo”, desafiou o Pe. Jorge Santos, depois de as oito crianças batizadas exibirem as velas batismais devidamente acesas pelos respetivos padrinhos e madrinhas.

Posteriormente foi a vez de cada criança do 3º ano, pertencente à catequese de infância da Igreja de S. José e ao Externato João XXIII, receber, pela primeira vez, Cristo no coração. Revestidos de Cristo, envergando uma veste branca, as crianças disseram “Ámen” ao corpo de Cristo que se lhes apresentou pela primeira vez.

Na reta final desta cerimónia, as crianças deixaram ainda uma oferta à mãe de Jesus – um ramo de rosas brancas – rezando-lhe uma Avé Maria.

A terminar a cerimónia, o Pe. Jorge Santos confirma entusiasticamente a todas as crianças presentes nesta celebração que “a partir de agora podeis participar plenamente na Eucaristia”. Para recordação, as respetivas catequistas entregaram um diploma e uma dezena a cada criança que, doravante, poderá, em cada Eucaristia, receber Jesus Cristo no seu coração.

Ana Carvalho

 

Festa do Pai Nosso traz à Igreja de S. José cerca de 80 crianças

A Festa do Pai Nosso faz parte do itinerário catequético do 2º ano. Na Igreja a referida celebração juntou crianças e respetivas famílias que, reunidas como irmãos, fizeram a oração ensinada por Jesus aos discípulos. Foram cerca de 80 crianças que no passado dia 28 de abril, confirmaram a aprendizagem da oração feita em todas as Eucaristias, e concretamente do significado de cada palavra que a compõe.

Presidida pelo Frei Pedro, a celebração teve início com uma procissão de entrada, na qual, para além da imagem de Jesus Crucificado e das velas que representavam a luz de Cristo Ressuscitado, seguiram as flores construídas em cada grupo e que simbolizavam cada criança que fez a Festa do Pai Nosso.

As leituras e o salmo, foram proclamados pelos pais das crianças. O Frei Pedro, que presidiu a celebração, desafiou as crianças a partilhar os ensinamentos recebidos na catequese e, particularmente, a falar da oração do Pai Nosso com aqueles com quem convivem diariamente, dizendo: “assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós”.

Terminada a homília, mais uma vez, os pais foram envolvidos nas preces que integraram a Oração dos Fiéis, levando a assembleia a orar pela humanidade e em especial pelas crianças, para que não percam o ânimo de rezar ao Pai do Céu.

Mais tarde, junto do ambão, as crianças, explicaram em 20 frases o que aprenderam sobre cada prece da oração do Pai Nosso. Feita a explicação, a comunidade deu as mãos para, como irmãos, rezar a oração que Jesus nos ensinou, dando especial ênfase a este momento da Eucaristia.

De hoje em diante, as crianças do 2º ano conhecem a melhor forma de falar com o Pai do Céu e é-lhes confiada a missão de não deixar de lhe falar, através da oração.

Para confirmar a aceitação do desafio que Jesus lhes deixou, cada um recebeu das mãos do Frei Pedro o respetivo diploma, que comprova que cada um é conhecedor das palavras que o Filho de Deus nos ensinou. Além do diploma, cada criança recebeu também um marcador de livros, com a imagem de uma flor, que representa, de forma genérica, os grupos de catequese que semanalmente se reúnem para falar do Pai do Céu. Neste marcador está também inscrita a oração do Pai Nosso, com o intuito de estimular a oração em família, porque, em cada família se revê a filiação de Deus.

 

Ana Carvalho

Atividades Abril 2019 (Catequese de infância)

2 Celebração
Penitencial
(5º e 6º ano/3ª feira)
3 Celebração
Penitencial
(4º ano/4ª feira)
4 Celebração
Penitencial
(4º ano/5ª feira)
5 Celebração
Penitencial
(5º  e
6º ano/6ª feira)
  Reunião da Coordenação
Via Sacra (Catequese)
8 a 22 FÉRIAS DA PÁSCOA – Fim do 2º
Período 
12 VIA SACRA
(Paróquia)
19 VIA SACRA (Cidade)
23 INÍCIO DO 3º PERÍODO
25 PASSEIO DOS
CATEQUISTAS
27 FESTA DO PERDÃO (3º
ano -15 horas – 2 Turnos )
28 FESTA DO PAI NOSSO (
ano –
15:30 horas )

1822

Via-sacra animada pela catequese

A Via Sacra teve alteração da data para o dia 5 de abril, às 21:00 horas, na Igreja, para que os pais e crianças não tivessem que se deslocar duas vezes à Igreja no dia 22 de março.