Folha Paroquial 08.05.2022 — DOMINGO IV DA PÁSCOA

Folha Paroquial 08.05.2022 — DOMINGO IV DA PÁSCOA

Nós somos o povo de Deus, somos as ovelhas do seu rebanho.

A folha pode ser descarregada aqui.

EVANGELHO (Jo 10, 27-30 )
Naquele tempo, disse Jesus: «As minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me. Eu dou-lhes a vida eterna e nunca hão-de perecer e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que Mas deu, é maior do que todos e ninguém pode arrebatar nada da mão do Pai. Eu e o Pai somos um só».

 

MEDITAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz. Eu conheço-as e elas seguem-me.
Em cada 4º Domingo de Páscoa reencontramo-nos com a bela figura do bom pastor. Esta pequena passagem do evangelho revela-nos a identidade profunda de Jesus, a sua maneira de ser. A relação de Jesus com o Seu Pai dá-nos a conhecer a relação de Jesus com as suas ovelhas. Ele é o verdadeiro pastor à imagem do Pai. “O pai amou tanto o mundo que lhe deu o seu filho unigénito!”. Não entramos logo no entendimento desta palavra que nos faz entrar no resplandecimento do amor trinitário. Entramos no universo do Amor infinito de Deus e na circulação desse amor entre as Pessoas da Trindade.

Partamos da nossa experiência concreta
Nestes últimos dois anos temos vivido experiências sombrias, de angústia, medo e inquietação. Primeiro a pandemia, que nos fez sentir inseguros e nos separou uns dos outros e depois a guerra que nos faz perceber que vivemos num mundo que pode tornar-se cada vez mais perigoso. Tudo pode acontecer quando a humanidade deixa vir ao de cima o que há de mais baixo nos seus instintos de destruição dos outros por causa do poder e do prestígio.

Deixemo-nos iluminar pela Palavra de Deus
A Palavra de Deus deste Domingo dá-nos referências para nos mantermos firmes no meio das provações nas piores circunstâncias. Cada uma das leituras nos dão razões para viver a esperança.

Em primeiro lugar no livro dos Atos, primeira leitura. Narram-se as dificuldades suportadas pela comunidade de Antioquia. Depois da popularidade que gerou a pregação de Paulo alguns judeus irritaram-se de ver tanta gente aderir à fé e começaram a perseguir os cristãos. Ora é nesta situação dolorosa que Paulo e Barnabé compreendem que precisam de ir ao encontro dos pagãos. Através da provação pela qual passaram deram um passo importante para o crescimento futuro da fé cristã. Foi a abertura da fé a todo o mundo pagão. Muitas provações na nossa vida foram para nós ocasião de passos muito importantes que demos, pois, nos obrigaram a sair do terreno demasiado conhecido.

Em segundo lugar, o visionário do Apocalipse convida-nos a considerar o futuro extraordinário que nos é prometido. Ele vê já a vitória final. O Cordeiro que nos salvou está no centro deste triunfo e deste imenso louvor. Precisamos de antecipar na esperança este mundo novo do reino. Nunca devemos perder de vista o termo da nossa fé, que é de estar com Deus para sempre. Lembremo-nos que o melhor está para vir. Que somos feitos para uma felicidade imensa.

O Evangelho traz-nos uma mensagem encantadora de beleza e de segurança!

Jesus para nos livrar da morte, aceitou morrer. Para nos fazer voltar a uma vida nova, ressuscitou. Ele atravessou a prova absoluta da morte para sair dela vencedor. Ele traz-nos a paz e a alegria e chama-nos a sermos testemunhas do seu amor infinito. Jesus chama cada uma das suas ovelhas pelo seu nome, e abre-lhes um caminho de vida que se vai incarnar na humanidade. Sob a sua proteção amorosa e bondosa, Jesus conduz a humanidade para o pai através do Espírito Santo. Assim se revela e se experimenta a vida eterna, a reconciliação que triunfa no quotidiano na morte, no desespero e na inveja.

Escolhamos ser membros do seu rebanho que o seguem.

Quem acredita n’ Ele, isto é, quem segue o seu caminho de construção de paz, reconciliação e amor tem a vida eterna, quem o rejeita rejeitando o seu caminho e construindo a guerra, as divisões o ódio e a morte, mesmo que ande com o seu nome na boca, abre a porta à sua condenação. «E a causa da condenação é esta: A luz brilhou no meio das trevas e os homens amaram mais a luz do que as trevas pois as suas obras eram más e não as quiseram mudar.»( Jo3,19)

Sejamos das ovelhas queridas do rebanho de Jesus. Aquelas que ouvem a sua voz e o seguem por caminhos novos para termos vida em abundância. Seguindo o seu caminho entremos no seu louvor e experimentamos como os discípulos de que nos fala a primeira leitura, que “estavam cheios da alegria do Espírito Santo e assim louvavam a Deus. Os que testemunham esta felicidade abraçam a fé, pois também eles estão destinados à vida eterna.
Como é bom sermos o povo do Senhor, as ovelhas do seu rebanho , mas isto supõe uma escolha vital de seguimento do Bom Pastor.”

 

Deixar uma resposta