Folha Paroquial nº 80 *Ano II* 09.06.2019 — DOMINGO DE PENTECOSTES

Folha Paroquial nº 80 *Ano II* 09.06.2019 — DOMINGO DE PENTECOSTES

«Enviai, Senhor, o vosso Espírito e renovai a face da terra.»

A folha pode ser descarregada aqui (Pentecostes)

 

EVANGELHO (Jo 20, 19-23)

Na tarde daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, apresentou-Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: «A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós». Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: «Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos».

 

MEDITAÇÃO

Uma comunidade missionária na força do Espírito

Uma das tradições da criação do homem relatada no livro dos Génesis diz que «Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e insuflou-lhe pelas narinas o sopro da vida, e o homem transformou-se num ser vivo.» Na Páscoa-  Pentecostes, acontece a nova criação, Jesus soprou de novo sobre a humanidade marcada pelo pecado e diz-lhes: «Recebei o Espírito Santo». O verbo utilizado é o mesmo no Génesis e em S. João, quando diz: “Jesus soprou sobre eles e disse: « Recebei o Espírito Santo» Dar a vida é obra do Espírito. Sobretudo dar-nos a vida de Deus, fazer-nos participar da sua intimidade, da comunhão com Ele. Mas esta intimidade de amor, a que Ele nos conduz, não se confunde com «intimismo», isto é, com ficarmos fechados em nós mesmos, voltados para a doce experiência que estamos a viver, indiferentes ao mundo. Uma verdadeira e autêntica experiência do Espírito volta-nos para os outros, para a missão para o serviço fraterno como tenho vindo a dizer nas últimas homilias. Ontem, como hoje, precisamos constantemente deste Espírito para não ficarmos fechados nas nossas belas igrejas ou sacristias. O Espírito impele-nos a «fazer-nos ao largo», a sairmos ao encontro do mundo, a irmos onde estão as pessoas, a proclamarmos, de todas as formas possíveis, que Jesus está vivo, que, quando lhe abrimos o coração, uma nova vida acontece. Deus ama os homens e quer o seu bem e a sua salvação. O Espírito leva-nos a não nos fecharmos nos nossos interesses pessoais, mas a acreditarmos que vale a pena sermos generosos e a entregarmo-nos ao serviço dos outros. Quando o decidimos fazer, O Espírito vem em nosso auxílio e desenvolve em nós capacidades espirituais e humanas que desconhecíamos a que chamamos dons ou carismas, como fala a segunda leitura. Esses dons são para o crescimento do Corpo que é a Igreja. E quanto precisamos do aparecimento desses dons na nossa comunidade!!! Dons para o canto e para a música, dons para a evangelização, dons de coordenação e liderança, dons para trabalhar com os adolescentes e os jovens, dons do Conselho e da Sabedoria, e nunca mais acabava. Mas é certo que os dons só se descobrem quando já estamos com as «mãos na massa». Cada membro da comunidade tem dons, o importante é que cada um esteja disponível para os pôr a render.

O que poderia ser uma comunidade cheia do Espírito? Seria uma comunidade missionária semelhante à que nos é apresentada nos Atos dos Apóstolos:

1.Seria uma comunidade de louvor voltada para Deus mostrando de onde vem a sua vida; «Louvavam a Deus e tinham a simpatia do povo.» (At 2,47) Por isso a celebração jubilosa da fé seria o seu ponto alto.

2. Mas ela seria também uma comunidade onde as relações de amor fraterno saltariam à vista, acolher-se-iam uns aos outros com alegria e respeitar-se-iam mutuamente inserindo aquele que é diferente. «Eram assíduos à comunhão fraterna, entre eles não havia necessitados pois iam em auxílio uns dos outros, partilhavam o pão nas suas casas com alegria e simplicidade de coração». (At 2,42)

3. Seria uma comunidade fortemente enraizada na fé e por isso sempre pronta a ser formada na Palavra de Deus e a assumir a cruz e as dificuldades da vida. «Eram assíduos ao ensino dos Apóstolos…» (At 2,42)

4.Seria uma comunidade pronta para servir com alegria: “Vendiam terras e outros bens e distribuíam o dinheiro por todos”. (At 2,45 )

5.Seria uma comunidade evangelizadora porque, na força do Espírito, não poderiam calar o que viam e ouviam. E como consequência desta forma de viver, Seria uma comunidade em crescimento constante (At 2,47), pois o crescimento acontece sempre que um corpo está são e feliz, e a Igreja é um corpo vivo que quando está são, só pode crescer. «O Senhor aumentava todos os dias o número dos que entravam no caminho da salvação»

Poder-me-ão objetar: Mas isso seria uma igreja ideal e não a Igreja real que é feita por homens pecadores. Sim, haverá sempre problemas na vida da igreja por causa das nossas fraquezas e pecados. No entanto se não tivermos diante de nós o ideal do que deve ser a Igreja, como Cristo a sonhou, nunca daremos passos para lá chegarmos. Quando trabalhamos para isso poderemos nunca realizar totalmente o ideal perfeito, mas podemos chegar lá perto, e isso é possível. Muitas comunidades o conseguiram no passado e continuam a consegui-lo no presente. Que o Espírito Santo, vendo a nossa sede d’Ele, venha e nos inunde do seu Fogo Divino.

 

Oração

Espírito Santo, que és Senhor, e onde chegas tudo renovas e refrescas, vem sobre nós, sobre esta Diocese de Coimbra, sobre o seu Bispo e todo o seu povo e, de um modo especial, te pedimos um Pentecostes Novo sobre esta paróquia e seus fiéis. Lança-nos para o mar alto, para que não cedamos à tentação de ficar na segurança da praia. Dá ao pastor e aos fiéis ousadia e confiança. Inspira-nos e guia-nos, liberta-nos dos medos e do enclausuramento em nós mesmos. Pela tua inspiração, torna-nos criativos para sabermos encontrar soluções novas para problemas novos e a não nos deixarmos levar pela rotina daquilo que sempre fizemos, quando vemos que já não dá. Espírito Santo, dá-nos a humildade do Coração de Jesus e lembra-nos sempre a palavra da Escritura: «Não é pelo poder nem pela força, mas pelo Espírito de Deus». Dá-nos os carismas que precisamos para o serviço, sobretudo o da caridade uns pelos outros e dá-nos uma profunda alegria em servir o Senhor de todo o coração. Espírito Divino, faz com que a Tua Igreja Santa resplandeça o rosto bendito de Cristo ressuscitado e seja um Sinal de esperança para todos os homens. Que pela tua ação renovadora se possa dizer hoje, entre nós, como no princípio, que o Senhor aumenta todos os dias o número dos discípulos que entram no caminho da salvação. Vem, Espírito Santo, Vem. Vem. Amen.

 

 

 

Deixar uma resposta