Comunidade de S. José celebra sacramento do batismo e 1ª comunhão com igreja repleta

Comunidade de S. José celebra sacramento do batismo e 1ª comunhão com igreja repleta

A comunidade da Igreja de S. José (Coimbra) testemunhou, no passado dia 19 de maio, a celebração do segundo turno dos sacramentos do Batismo e da 1ª Comunhão, presidida pelo Padre Jorge Santos, pároco da Igreja de S. José, e concelebrada pelo Padre João Trindade, familiar de uma das crianças que integrou a referida cerimónia.

No dia 12 de maio, cerca de 40 crianças experienciaram o acolhimento de Jesus nos respetivos corações, através da celebração do sacramento da comunhão, e, no dia 19 de maio, 30 crianças disseram “Ámen” ao Corpo de Cristo entregue a cada um. Quer numa quer noutra data, algumas crianças também receberam o batismo, ficando, a partir desse momento, “unidos a Jesus”, tal como referiu o pároco de S. José, Padre Jorge Santos.

Carregada de simbolismo para as crianças e familiares, esta celebração ficou marcada por alguns apontamentos solenes, nomeadamente a procissão de entrada. A cruz processional encabeçou o cortejo, seguindo-se-lhe as velas que representavam a luz de Cristo e um vaso de trigo que, segundo referiu um jovem, representava cada grupo do 3º ano de catequese e, de modo particular a Parábola da Semente de Trigo, através da qual fundamentaram o sentido da comunhão feita pelos cristãos.

Entregues os símbolos, seguiram-se os ritos eucarísticos habituais, nomeadamente o ato penitencial e a liturgia da palavra, nas quais pais e filhos deram o seu contributo.

Feita a leitura do evangelho, pelo Padre João Trindade, o pároco de S. José fez menção, na homília, à razão de celebrar o sacramento da comunhão: “celebramos aquilo que Jesus nos deixou de mais importante – a Missa”. O Pe. Jorge Santos lembrou o que aconteceu na Última Ceia, antes de Jesus entregar a vida na cruz: “o Senhor Jesus partiu o pão e deu-o aos seus discípulos dizendo – “Fazei-o em memória de mim”. Este ato, para o pároco, representa “uma prova de amor” da qual a Eucaristia se tornou “um memorial”.

O pároco disse ainda que, em cada Eucaristia, Jesus “põe duas mesas: a mesa da Palavra e a da Comunhão”. Na da palavra, “Jesus alimenta-nos com a sua Palavra, através da Bíblia” e na da Comunhão “recebemos o Corpo de Cristo” que, tal como a Palavra, “alimenta o nosso coração”.

Seguidamente o Pe. Jorge Santos derramou os santos óleos sobre oito crianças que receberam o batismo também nesta celebração. “Vão receber a vida de Jesus e vão poder chamar a Deus de pai”, começou por dizer o pároco da Igreja de S. José, “depois da Comunhão, toda a assembleia será divinizada por Jesus”, concluiu.

“Sede luz de Cristo”, desafiou o Pe. Jorge Santos, depois de as oito crianças batizadas exibirem as velas batismais devidamente acesas pelos respetivos padrinhos e madrinhas.

Posteriormente foi a vez de cada criança do 3º ano, pertencente à catequese de infância da Igreja de S. José e ao Externato João XXIII, receber, pela primeira vez, Cristo no coração. Revestidos de Cristo, envergando uma veste branca, as crianças disseram “Ámen” ao corpo de Cristo que se lhes apresentou pela primeira vez.

Na reta final desta cerimónia, as crianças deixaram ainda uma oferta à mãe de Jesus – um ramo de rosas brancas – rezando-lhe uma Avé Maria.

A terminar a cerimónia, o Pe. Jorge Santos confirma entusiasticamente a todas as crianças presentes nesta celebração que “a partir de agora podeis participar plenamente na Eucaristia”. Para recordação, as respetivas catequistas entregaram um diploma e uma dezena a cada criança que, doravante, poderá, em cada Eucaristia, receber Jesus Cristo no seu coração.

Ana Carvalho

 

Deixar uma resposta